domingo 26 de setembro

Parece que estamos entre o direito a estacionar e o direito a circular.

Começamos o primeiro de muitos “vaga viva” em Porto Alegre. A ideia é convidar os amigos e/ou pessoas parceiras para ficar  em um espaço que normalmente apenas se estacionam velhos veículos de transporte.

Nas palavras de Enrique Peñalosa, “estacionamento não é um direito constitucional em lugar algum; é uma questão privada que deveria ser resolvida em espaços privados, com fundos privados. Estou certo de que no futuro, todos os países e cidades irão implantar esquemas para tarifar o uso do carro e a renda resultante deve ser utilizada para melhorar o transporte público.”

*Enrique Peñalosa foi prefeito de Bogotá, na Colômbia, entre 1998 e 2001

Anúncios

11 Respostas to “Direito a estacionar?”

  1. Klaus said

    uhuuuuuu yeah!

  2. josias said

    Quando será o próximo??

    #Quero_ir

    Queria o contato de vcs.

    Façam uma comu ou uma página no face acho que fica mais fácil do que esse blog atirado.

  3. Rodrigues said

    1 – Questão de civilidade: pedestres na calçada, veículos na pista. A questão sobre a cobrança por estacionamento é outra discussão que em nada torna cabível o uso de um espaço da rodovia da forma como aqui proposta. Para fazer pique-nique existem parques, áreas verdes, locais bem mais agradáveis, e aliás há um bem próximo ao local da foto. Realmente vivemos tempos sem causas e com uma juventude perdida entre consumir o celular mais moderno e protestos sem cabimento.

    2 – Sobre o estacionamento: o direito de estacionar não é constitucional, mas é uma questão óbvia de bom senso. E ninguém está privando ninguém se a rodovia comporta o estacionamento de todos os carros que ali e a calçada é suficientemente larga para o fluxo de pedestres que ocorre naquela rua ou avenida. Por isso, uma reinvidicação válida seria, por exemplo, calçadas mais largas. Ademais, nos casos de vias com muitos carros, os motoristas já se vêem obrigados a pagar, seja por um estacionamento, seja no parquímetro (isso, institucionalmente, sem falar dos flanelinhas). A rotatividade de estacionamento é uma ideia subjacente ao senso coletivo em uma cidade com muitos carros e múltiplos interesses de estacionar. A ideia de ocupar uma vaga de estacionamento para sentar é coisa de quem não trabalha, sabe pelo que protestar e tem tempo para ficar criando incômodos desnecessários.

    • Caro Rodrigues,
      embora tenhamos posições diferentes, agradeço pelo tua postagem.

      1 – Cidade: lugar de grande concentração humana, na qual os espaços são escassos, portanto a sua partilha e melhor aproveitamento se fazem ainda mais necessários.
      2 – Civilidade: relacionar-se com o outro com cordialidade, respeito e compreensão (admitindo que não esgotamos o que temos para aprender na escola ou na juventude, que a vida em uma cidade demanda desafios cotidianos uma vez que recebe imigrantes de diferentes culturas, inovações tecnológicas não previstas nos planos diretores, recessões econômicas, falta de dinheiro para investir ou investimentos desiguais entre bairros).
      3 – Estacionamento: também prefiro fazer um picnic em um parque ao asfalto, no entanto quem não está satisfeito com a cidade na qual vive precisa repensá-la, desnaturalizando pedaço a pedaço. Superar problemas exige mudanças, desde mudar a si mesmo até a própria cidade, exige superar preconceitos e não há como empreender tal tarefa sem incômodos, infelizmente eles são necessários, inclusive para testar a nossa civilidade.

  4. Rodrigues said

    Mas será que existe alguém que acha mesmo que ao abancar-se na via está construindo algo para uma sociedade melhor, independente do que pensa sobre política, economia, urbanização, etc?

    E eu que sempre ficava indignado ao ver carros em cima da calçada… agora parece que isso deve ser respeitado, pois, afinal, pode ser também uma “desnaturalização”.

    Só lamento que, no caso do “piquenique onde os carros estacionam”, seja um “ativismo” que fica mais restrito a quem não trabalha

    .

    • Pietro said

      Ficar perdendo tempo lendo blogs que te incomodam e escrever comentários contrários no próprio blog me parece muito mais coisa de quem não trabalha do que ocupar uma vaga, uma tarde por mês, pra tomar chimarrão com os amigos.
      Pior, coisa de chato que não trabalha. Ou ainda, de chato que trabalha demais e precisa reclamar de alguém no final do dia pra conseguir dormir.

      Achei engraçado a tua primeira pergunta. É claro que sim, e elas fizeram inclusive um blog sobre isso que… mas espera, estamos nesse blog!

      Eu ainda me incomodo com carros na calçada e carros na calçada são certamente a desnaturalização de um senso comum. Mas veja bem, nem toda desnaturalização é positiva. Desnaturalizar que não se deve bater em pessoas não é algo positivo, por exemplo. E existem bons motivos pra carros não andarem em cima da calçada.
      Agora, será que existem motivos tão bons pra existência de estacionamentos disseminados por quase todas as vias públicas? Em tempos de congestionamentos diários e de problemas pra se organizar o transporte público, acho que é um questionamento válido.
      E o que se está reivindicando nesses atos não é que tomemos as faixas da direita pra tomarmos chimarrão, pode ter certeza. Não confunda os meios empregados pra se chamar atenção com as finalidades pretendidas. Acredito que o objetivo é mostrar que esse espaço é um espaço que é gasto quando destinado a estacionamento. E, na medida que é um espaço público e que o poder público não é obrigado fornecer estacionamento, refletir se esse é realmente o melhor uso é algo totalmente válido.
      Por exemplo, carros estacionados na av. Ipiranga me parecem um absurdo, quando todos os dias das 17:30 até as 19 horas ela para. E não acredite que isto é uma disputa entre pedestres e motorista. É algo do interesse tanto de nós pedestres quanto de nós motorista.

  5. Rodrigues said

    “Não confunda os meios empregados pra se chamar atenção com as finalidades pretendidas”…
    … ENTÃO VOCÊS CONCORDARIAM COM UM PROTESTO QUE SEJA, POR EXEMPLO, “DESNATURALIZAR”, COLOCANDO CARROS E CAMINHÕES EM CIMA DA CALÇADA, SE ISSO FOR UM “MEIO” DE CHAMAR ATENÇÃO PARA A “FINALIDADE” DE AUMENTAR A ARBORIZAÇÃO URBANA.

  6. Pietro said

    Baita idéia. Pode contar com a minha kombi.

  7. […] para facilitar o uso do carro. Mas, como diz o ex-prefeito de Bogotá, Enrique Peñalosa, “estacionamento não é um direito constitucional“. Já se estudou e se escreveu muito sobre o assunto (e, ao invés de me alongar, remeto a […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: